É normal ficar ansioso e preocupado em algumas situações do dia a dia, como ao falar em público ou conhecer alguém novo, por exemplo. No entanto, quando isso se torna uma rotina, pode ser um indício de um transtorno de ansiedade.

Mas como saber se a ansiedade está em um limite aceitável ou se tornou um problema? Essa é uma dúvida de muitas pessoas. Continue a leitura do post e veja como identificar os sintomas do transtorno.

O que é transtorno de ansiedade?

Na verdade, existem diferentes categorias de transtornos de ansiedade, que envolvem um grupo muito grande de sintomas associados. De modo geral, a inquietação mental provocada por expectativas negativas também gera uma sensação de desconforto físico, com diferentes sinais, conforme o tipo de transtorno. Os principais são:

  • estresse pós-traumático — sintomas ansiosos que persistem por muito tempo após o trauma;
  • síndrome do pânico — ataques de pânico recorrentes, com a intensificação dos sintomas comuns da ansiedade;
  • transtorno de ansiedade generalizada (TAG) — forma mais comum de ansiedade, é definida por um estado constante de preocupação e tensão excessiva;
  • fobia simples — medo injustificado de um acontecimento ou objeto;
  • fobia social — medo de interação com as pessoas e de qualquer convívio social;
  • transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) — atos repetitivos, associados a pensamentos obsessivos, que tentam aliviar a pressão exercida pela ansiedade;

Todas essas formas de ansiedade não se excluem. Pelo contrário, é muito comum apresentar mais de uma delas, variando de uma pessoa para outra. Os transtornos de ansiedade também podem estar associados a outras doenças psicológicas, como a depressão e o transtorno bipolar.

Quais são os principais sintomas?

Os sintomas podem mudar bastante entre os pacientes, sendo facilmente confundidos com outros transtornos psíquicos. Por isso é tão importante consultar o médico, pois o tipo de tratamento adotado vai depender principalmente do que cada pessoa sente e com que intensidade.

Diversas queixas podem estar ligadas ao transtorno de ansiedade, mas não é necessário ter todas elas para o diagnóstico. As principais são:

  • fadiga;
  • irritabilidade;
  • insônia;
  • tensão muscular;
  • falta de concentração;
  • dores de cabeça e musculares;
  • aumento da pressão arterial;
  • palpitações e taquicardia;
  • sudorese;
  • falta de ar;
  • náuseas;
  • aperto no peito;
  • intestino desregulado, entre outros.

Como fazer o tratamento?

O diagnóstico dos transtornos de ansiedade é feito a partir da avaliação do histórico do paciente e da eliminação de outros problemas. Como o tratamento é feito de acordo com cada distúrbio, é fundamental que eles sejam diferenciados corretamente. Não se deve confundir uma fobia social com síndrome do pânico, por exemplo.

Em geral, o tratamento é feito com ansiolíticos e antidepressivos, sob orientação médica. Esses medicamentos são de uso controlado e devem ser acompanhados bem de perto pelo especialista. Conforme a evolução do quadro, pode ser necessário fazer um ajuste da dose e até a troca da medicação.

Além disso, é importante fazer uma terapia comportamental cognitiva, com sessões de psicoterapia e a adoção de novas atitudes no dia a dia. Essa forma de tratamento costuma ser ainda mais eficaz que os medicamentos, uma vez que propõe mudanças na forma de ser e agir dos pacientes.

De qualquer forma, é fundamental que o transtorno de ansiedade seja corretamente diagnosticado. Ignorar o problema, não levá-lo à sério ou fazer a automedicação pode ser muito perigoso. Caso tenha alguns dos sintomas mencionados acima, procure um médico especializado.

Gostou deste post? Então não perca nenhuma de nossas dicas de saúde e bem-estar. Curta nossa página no Facebook e veja mais posts como este!