Segundo a Organização Mundial da Saúde, cerca de 350 milhões de pessoas no mundo têm depressão. Esse transtorno, no Brasil, afastou mais de 75 mil pessoas das suas atividades profissionais em 2016.

Os dados são alarmantes, pois esses números crescem a cada ano e revelam que a depressão tornou-se uma das doenças mais incapacitantes do mundo.

No post de hoje, traremos mais informações sobre os sintomas da depressão e quais são os sinais da doença que merecem mais a nossa atenção. Acompanhe!

Entenda a depressão

Primeiramente, é importante ressaltar que depressão é uma doença. Ao contrário do que muitas pessoas imaginam, não é apenas uma tristeza ou falta de motivação. A depressão é caracterizada por um importante desequilíbrio emocional e químico dos neurotransmissores  dopamina, noradrenalina, serotonina, entre outros. Essas substâncias são responsáveis por nos trazer sensações de prazer e bem-estar, por exemplo.

A depressão é um transtorno psicológico caracterizado por um conjunto de sintomas com níveis de intensidades variados. Esses sintomas e suas intensidades determinam: depressão leve, moderada e grave. Conheça agora alguns dos sintomas.

Negativismo constante

Geralmente, quem tem depressão enxerga a vida de uma forma mais pessimista. A pessoa constantemente pensa sobre tudo de ruim que aconteceu no seu passado, revive essas experiências negativas em suas lembranças, se culpa frequentemente pelo que não deu certo e acaba por não conseguir imaginar um futuro diferente. Ou seja, ela projeta as frustrações vividas, os erros, as inseguranças, tudo isso no seu futuro.

É como se a vida dela fosse um ciclo negativo constante e ela não pudesse fazer nada para mudar essa realidade. Sabe aquela famosa “luz no fim do túnel”? Então, quem tem depressão, normalmente, não consegue enxergar essa luz!

Todo esse quadro de pessimismo exacerbado pode gerar muita angústia e ansiedade, pois a pessoa perde a esperança e não vê saída para as situações enfrentadas por ela na vida.

Aumento ou perda de apetite

É bastante comum alterações no apetite, tanto para mais quanto para menos. Há pessoas que perdem a vontade de comer, passam a comer bem menos do que antes, em casos mais graves da doença, alguns não conseguem sequer fazer uma refeição. Mas existem também pessoas que começam a sentir mais vontade de comer e comem a todo momento. 

Nesses casos, às vezes é possível notar uma compulsão alimentar: a pessoa não precisa sentir fome, ela come sem vontade a todo momento.

Falta de energia

Outro sintoma característico da depressão é a falta de energia para fazer suas atividades do dia a dia. A pessoa se sente sempre cansada, só quer ficar deitada, em muitos momentos, levantar da cama é difícil.

Esse sintoma vai muito além da preguiça e do cansaço habitual de um dia muito atarefado, em que depois de uma noite de sono a pessoa já está revigorada e pronta para um novo dia.

Alteração do sono

Nesse caso, a pessoa com depressão​ nota uma mudança na sua rotina de sono. Ela pode começar a dormir muito mais do que dormia antes, ou passar a dormir menos.

A pessoa pode ficar muitas noites em claro, ter insônia, acordar durante a madrugada e não conseguir dormir mais, mesmo sentindo cansaço.

Perda do prazer de viver

Perde-se a alegria de viver. As coisas que a pessoa gostava de fazer, agora, já não gosta mais. Nada mais a agrada. A pessoa relata que a vida perdeu a graça, que está “tudo cinza”.

Os familiares e amigos percebem as mudanças no comportamento e nos hábitos. E isso inclui atividades do dia a dia, hobbies, passeios, vestuário, cuidados com a aparência, entre outros.

O que fazer se notar os sintomas

É muito importante ressaltar que esses sintomas isolados não indicam depressão. Essa doença é caracterizada por um conjunto de sintomas e apenas o médico especializado poderá​ avaliar e fazer o diagnóstico.

Se você se identificou com os sintomas da depressão ou conhece alguém que está enfrentando a doença, saiba que existe tratamento especializado. Hoje em dia, com acompanhamento médico, psicológico e com algumas práticas da medicina complementar, é possível ter mais saúde e qualidade de vida!

E aí, gostou do nosso post? Então, aproveite para compartilhá-lo com seus amigos nas redes sociais!