Junho vai se aproximando e, com ele, chega a estação mais fria do ano. Nessa época, é preciso cuidar da saúde atentamente. Afinal de contas, várias doenças comuns no inverno têm maior probabilidade de aparecer.

As temperaturas baixas e o ar seco favorecem a circulação de vírus e bactérias. Isso porque cresce a tendência de que as pessoas permaneçam em ambientes fechados, elevando a chance da manifestação de problemas como resfriados, gripes, alergias etc.

No artigo de hoje, vamos falar justamente sobre as doenças mais comuns no inverno. Tem interesse no assunto? Listamos as que chamam maior atenção e apresentamos suas particularidades, então confira!

Gripes e resfriados

Primeiramente, é importante destacar que esses dois problemas são bem diferentes, apesar das semelhanças. Causada pelo vírus Influenza, a gripe infecta vias respiratórias como nariz e garganta, por exemplo. De modo geral, os sintomas são febre alta, coriza e diversas dores, durando cerca de uma semana.

Já o resfriado, por sua vez, é mais leve. Espirros, incômodos na região da garganta e conjuntivite podem evidenciar esse mal, que acomete pacientes por, em média, cinco dias. Não existe tratamento específico, mas repousar e usar analgésicos ou descongestionantes ameniza os incômodos.

Pneumonia

Ocasionada costumeiramente por vírus e bactérias, a pneumonia se dá no momento em que inflamações das vias respiratórias alcançam os pulmões. Catarro amarelado ou verde ao tossir, calafrios e febre alta são suas principais manifestações. Em situações mais sérias, há certa dificuldade para respirar.

A pneumonia tem diferentes níveis de gravidade, e o tratamento varia de acordo com o diagnóstico. É comum que médicos recomendem antibióticos e repouso caseiro. Porém, casos de maior gravidade podem exigir internação hospitalar para melhor controle do paciente.

Asma

Comum em crianças, apesar de também acometer adultos, a asma surge em pessoas predispostas a ela. Inflamações pulmonares e alergias, por exemplo, ajudam a desencadeá-la no organismo.

Os sintomas mais conhecidos consistem em falta de ar, tosse e uma espécie de chiado no peito. Para combater a asma, pneumologistas costumam orientar os pacientes com relação ao uso de corticoides e broncodilatadores.

Sinusite

Quando as mucosas dos chamados seios da face inflamam, é normal sentir incômodos nessa região, que fica ao redor do nariz. Além disso, dores de cabeça e secreção nasal também são suspeitas da sinusite. Pessoas que sofrem de rinite alérgica têm tendência maior de desenvolver esse problema.

Infecções virais, gripes e resfriados, por exemplo, geralmente são os causadores da sinusite. As medicações variam entre anti-inflamatórios, anti-histamínicos e descongestionantes.

Rinite alérgica

Citada no tópico anterior como fator de propensão à sinusite, a rinite alérgica é uma doença crônica, sem cura. Esse problema incomoda bastante os afetados, visto que as crises podem durar minutos ou até mesmo dias. Reações ocasionadas por alergias inflamam a mucosa nasal, provocando espirros, coceira e coriza.

Quem sofre com a rinite normalmente é avesso a diversos tipos de pós ou cheiros fortes. Evitar esses contatos figura como um ponto importante de prevenção. Os corticoides e anti-histamínicos auxiliam para amenizar os sintomas.

A metade do ano se aproxima e já traz dias frios em várias regiões do Brasil. Isso significa que é hora de estar por dentro dos principais problemas respiratórios. Sendo assim, busque ter uma alimentação saudável, tomar as vacinas necessárias e evitar permanecer em locais fechados. São ótimas formas de prevenção!

Agora que você já conhece as doenças comuns no inverno e é capaz de impedir o aparecimento delas, curta nossa página no Facebook e veja novos conteúdos relevantes sobre saúde!