Mordidas de cães são um tipo de acidente muito comum em todo o mundo. Para você ter uma ideia, só nos Estados Unidos, são registrados 4,5 milhões de casos anualmente. No Brasil, não temos uma estimativa exata de quantas pessoas sofrem mordeduras, porque muita gente não procura atendimento médico. Crianças, principalmente as menores de 5 anos — que têm pouca noção de perigo, força e tendência a tratar animais como brinquedos — são as maiores vítimas.

Por que isso acontece?

Abocanhar e morder são os principais mecanismos de defesa dos cães. Se o animal sentir-se ameaçado ou em perigo, ele irá morder até mesmo seu próprio dono. Essa regra vale inclusive para animais dóceis e domésticos.

Mãos, braços e pernas são os locais mais frequentes de mordeduras e, vale lembrar, mesmo uma brincadeira com seu bicho de estimação pode provocar lesões sérias, principalmente se envolver um cachorro de maior porte.

É grave?

A gravidade de uma mordida depende de muitos fatores, entre eles o tamanho do cão, idade da vítima da mordedura, qual foi o local atingido, tamanho do ferimento, se o animal e a vítima eram vacinados ou não, etc. São especialmente graves as feridas em áreas como rosto, mãos e dedos dos pés.

Os cães possuem dentes rombos e mandíbulas fortes, por isso, as mordidas causam, principalmente, esmagamento e lacerações — aquele tipo de ferida que aparenta que pele e músculos foram rasgados. Perfurações também podem ocorrer. E tudo isso, claro, vai sangrar. Como a saliva canina contém muitas bactérias, é possível ocorrer infecções devido à dificuldade de higienizar completamente a ferida.

O que fazer em caso de mordida de cachorro?

1. Lave bem o local

Independente do tipo ou do tamanho do ferimento, a primeira providência é lavar o local com bastante sabão e água corrente em abundância, tomando cuidado para não agravar a ferida.

Quando a vítima da mordida chegar em uma unidade de saúde ou hospital, o ferimento será lavado novamente e serão usados antissépticos — por exemplo, clorexidina ou iodopovidona — na tentativa de inativar os microrganismos contaminantes da ferida.

2. Utilize algum antibacteriano

Uma ferida causada pela mordida de um cachorro pode infeccionar por causa de mais de um tipo de bactéria — em alguns casos até cinco — sendo a Pasteurella a mais frequente delas. Porém, as contaminações por uma série de zoonoses, como a raiva, são as que oferecem maiores riscos.

Para evitar isso, limpe bem o local com algum produto antibacteriano, de preferência sabonete ou gel, por cinco minutos e bastante água para eliminar o maior número possível de bactérias.

3. Interrompa o sangramento

Em caso de sangramento, pressione o local por algum tempo para estancar a hemorragia. Você pode fazer isso com uma toalha ou pano limpo.

4. Proteja a ferida

Com o ferimento já limpo e o sangramento controlado, proteja o local até receber atendimento médico. Você pode utilizar gaze, toalhas, fraldas de pano ou toalha de papel sobre a ferida, evitando contaminações por contato com sujeira e objetos durante o deslocamento até uma unidade de saúde ou hospital.

5. Procure atendimento médico

Depois de realizar rapidamente os 3 primeiros passos, procure atendimento médico o mais rápido possível, mesmo que a ferida pareça pequena. Se possível, leve o cartão de vacinas da vítima da mordedura e informe ao médico se o animal agressor é ou não vacinado. 

6. Onde encontrar vacina antirrábica em Niterói e São Gonçalo?

Niterói
Hospital Municipal Carlos Tortelly.
Endereço: Rua Desembargador Athayde Parreira 266, Centro, Niterói.

São Gonçalo
Polo Sanitário Washington Luiz Lopes.
Endereço: Praça Estephania de Carvalho S/N, Zé Garoto, São Gonçalo.

Pronta para agir se você ou um ente querido for vítima de uma mordida de cachorro? Compartilhe com seus amigos nas redes sociais e ajude-os a agir corretamente e com segurança nesta situação!