Nem sempre damos a devida atenção ao nosso aparelho auditivo. Ele fica em segundo plano em relação a nossa saúde bucal, respiratória e cardiológica, por exemplo. Entretanto, quem já sofreu algum transtorno, sabe da gravidade das doenças no ouvido e o quanto elas podem ser dolorosas.

Este post foi elaborado para fornecer informações importantes para que você possa tomar as providências necessárias para evitá-las ou, se for o caso, saber como tratá-las. Continue a leitura.

Entenda o que são as doenças no ouvido

Comumente a infecção é sinal de uma gripe ou alergia. Contudo, existem outras causas que dão origem aos sintomas.

Uma delas é a obstrução da tuba auditiva. Ela começa no ouvido médio e vai até a parte posterior da garganta. A tuba funciona como um dreno do líquido que o ouvido médio produz. Nos casos de bloqueio, o líquido acumula propiciando o ajuntamento de bactérias e vírus que causam as inflamações.

Outra causa é a inflamação nas adenoides. Elas são pequenas peças de tecido e estão situadas na parte traseira do nariz, próximas à tuba auditiva. Inflamadas ou alargadas, as adenoides podem provocar a obstrução dela.

Conheça os tipos mais comuns de infecção:

  • ouvido médio: diagnosticadas como otites médias agudas, com maior ocorrência em crianças e que abrangem um tipo conhecido como “orelha de nadador”;
  • ouvido interno: tipos mais raros e designados pelos especialistas como neurite vestibular e labirintite. São inflamações no ouvido interno ou nos nervos que o interligam ao cérebro.

Saiba quais os sintomas das infecções

Os sintomas de uma infecção no ouvido podem variar de acordo com a idade da pessoa. Normalmente, esses são os sinais mais comuns:

  • dor de ouvido: têm-se a sensação de que o ouvido lateja ou está pulsando;
  • incômodo para dormir: o sono fica prejudicado, principalmente quando se deita de lado, pressionando o ouvido no travesseiro;
  • coceira;
  • dor em volta das orelhas: essa dor pode se manifestar na cabeça e no pescoço;
  • secreção vazando: infecções de ouvido podem provocar o escorrimento de um líquido espesso;
  • febre: em crianças pode ir além dos 38°C.

Além da temperatura elevada, outros sintomas podem surgir: perda de apetite, calafrios ou suores, dor muscular, tontura, dor de estômago e cansaço.

Aprenda como se prevenir

A prevenção contra as doenças no ouvido demanda procedimentos simples para garantir o seu bem-estar e o de sua família. Confira os mais importantes.

Evite a umidade

A umidade é um sério problema para a sua saúde auditiva. Portanto, muita atenção, especialmente quando for nadar. Coloque tampões para impedir a entrada de água. O mesmo vale para a hora do banho.

Adote uma dieta saudável

Alimentação saudável significa menos chances de alergias e problemas respiratórios e mais imunidade. Coma frutas e vegetais, peixe, proteínas e probióticos. Inclua ervas, alho, açafrão e gengibre no cardápio. Beba água e sucos naturais.

Amamente os bebês

O aleitamento materno auxilia no fortalecimento do sistema imunológico dos pequenos. O leite fornece os nutrientes indispensáveis para o crescimento e desenvolvimento das crianças, além das substâncias imunoprotetoras da mamãe.

Saiba como é o tratamento

Geralmente, boa parte das infecções é eliminada com o uso de antibióticos. Todavia, em determinadas situações, da mesma maneira que surgem, essas doenças desaparecem. Por isso, em alguns casos o médico pode não receitar medicação e deixar o tratamento por conta do tempo e do organismo.

Nas situações de dor, o especialista pode prescrever a aplicação de compressas mornas e gotas otológicas. Em casos recorrentes de uma otite média, a drenagem do líquido existente no interior do ouvido pode ser recomendada e realizada pelo otorrinolaringologista.

As doenças no ouvido podem ser consequência de outros males e surgem quando menos se espera. Procure observar alguns cuidados para evitá-las: faça a limpeza regularmente e evite o uso das hastes flexíveis (se for o caso, faça com precaução); enxugue bem a região para eliminar a umidade; e em casos de excesso de cerúmen (cera) recorra a um especialista para retirá-lo.

Este post ajudou a tirar suas dúvidas? Quer saber mais sobre este e outros assuntos relacionados aos cuidados com a saúde? Assine a nossa newsletter e receba as informações diretamente no seu e-mail.