O verão é a estação mais aguardada por muitas pessoas, pois está associada a sol, praia e férias. E é justamente devido a esses fatores que é o período propício para o surgimento de diversas doenças. Seja pelo sol mais forte que o normal, pela falta de higiene ou mesmo pelo descuido na temporada de descanso, as doenças de verão são mais comuns do que se imagina — e, por isso, merecem muito cuidado.

No artigo de hoje, vamos apresentar cinco doenças que aparecem na estação mais quente do ano. Veja também as principais causas e como se prevenir: 

Desidratação

Nosso corpo costuma perder — por meio da transpiração, urina e fezes — cerca de 2,5 litros de água por dia. No verão, com as temperaturas mais altas do que de costume, essa quantidade tende a ser ainda maior. Caso essa água não seja reposta no organismo, pode ocorrer a desidratação.

A desidratação causa sede excessiva, longos períodos sem urinar, irritação e ressecamento da boca, olhos e mucosas. Para evitar o problema, é muito importante que adultos bebam pelo menos 2 litros de água por dia. Além disso, é preciso consumir alimentos leves, como frutas e verduras, cuidar da pele, permanecer em ambientes frescos e usar roupas leves.

Micoses

No verão, as temperaturas estão altas e a umidade do ar também. Esse é o cenário ideal para a proliferação de diversos fungos que podem se espalhar pelo corpo em forma de micose.

A micose afeta regiões quentes e úmidas do corpo, como dobras da pele e pés, e seus sintomas são vermelhidão, ressecamento, coceira e irritação. Se você quer ficar bem longe da micose é importante não compartilhar toalhas e calçados com outras pessoas, evitar usar sapatos e meias em dias quentes, optar por roupas leves e não andar descalço em ambientes públicos, como piscinas.

Bicho geográfico

A doença do bicho geográfico é causada pelo parasita Ancylostoma caninum, presente nas fezes de animais. O problema recebe esse nome devido ao aspecto de mapa que o parasita deixa na pele.

O bicho geográfico ocorre quando o corpo entra em contato com as fezes de cães e gatos infectados. A partir daí, o parasita se instala na pele e causa vermelhidão, coceira e inchaço na região. Uma maneira de evitar essa doença é não deixar animais na areia da praia, por exemplo, ou recolher as fezes dos bichos antes que alguém possa entrar em contato.

Intoxicação alimentar

Quem nunca passou mal depois de comer um camarão ou um cachorro-quente vendidos por um ambulante da praia? A situação é mais comum do que você imagina e tem uma explicação: devido ao aumento da temperatura, fica mais difícil conservar os alimentos por mais tempo, tornando-os prejudiciais à saúde. Além disso, com o aumento do movimento, surgem muitos vendedores de comida da qual não sabemos a procedência.

A intoxicação alimentar pode provocar diarreia, náusea, desidratação e mal-estar. Para evitar a doença, escolha alimentos de qualidade, observe bem a sua aparência (odor, cor e consistência), evite peixes e ovos em ambientes muito quentes e sempre verifique a procedência da comida.

Dengue

A dengue é uma doença típica do verão, já que o mosquito transmissor depende, sobretudo, da água parada das chuvas para se reproduzir. A enfermidade, que todo ano afeta milhares de pessoas no Brasil, tem como sintomas: febre, dor e manchas vermelhas no corpo e dor atrás dos olhos.

A prevenção está principalmente em não deixar nenhum local com água parada, o que inclui proteger piscinas e vasos de plantas. Usar repelente também ajuda a evitar a picada do mosquito.

Sabemos que todo ano as doenças de verão podem aparecer. Por isso, é importante estar sempre atento a quaisquer alterações no corpo e procurar um médico. Com a saúde em dia, você pode aproveitar o verão e tudo de bom que ele tem a oferecer!

Quer saber mais sobre como evitar essas e outras doenças? Então, confira nosso artigo sobre a importância da medicina preventiva!